site cluny
 

 

 
     

 

O dia a dia de uma Irmã

A religiosa de hoje foi a jovem de outrora, que um dia, seduzida por Jesus, decidiu segui-Lo numa maior radicalidade, respondendo ao apelo interior de trilhar novos caminhos de santidade num maior serviço a Deus e aos outros.

Os receios, interrogações, medos de compromisso ao deixar um estilo de vida que se conhece partindo para um desconhecido, a perplexidade perante a questão: “Como vivem as Irmãs?” e tantas outras perguntas que se fizeram, depressa se desvaneceram.Após um tempo de discernimento, descobre-se que o amor e a paz de Jesus que atrai e preenche o coração, nunca nos podem enganar. Assim se explica a determinação de responder ao apelo do Senhor, de forma consciente, livre e sempre renovada, na certeza da acção do Espírito Santo e apoiadas na força da Sua Palavra que é Caminho, Verdade e Vida:

“Não tenhais medo.” ( Jo. 6, 20)
“Vem e segue- Me” ( Lc.18,22)
“Vinde e vede.” (Jo. 1,39)
“Quando vos enviei, faltou-vos coisa alguma? Não, responderam os discípulos.” (Lc. 22,35)

A Irmã de S. José de Cluny vive em Comunidade, com um projecto de vida pessoal e comunitário. É neste espaço de comunhão que as Irmãs buscam a “unidade dos espíritos na verdade e a união de corações na caridade” ao deixarem-se conduzir pelo Espírito Santo. Assim o testemunho da comunhão com Deus, a busca da Sua Vontade e a afeição mútua são uma expressão visível do amor de Jesus, operante no meio de nós. A vida comunitária, estreitamente ligada à consagração, está orientada para a missão que é confiada à Comunidade.

O Pai enviou o Seu Filho ao mundo para anunciar a Boa Nova. Assim, a missão das Irmãs consiste em participar na missão de Jesus. Cada Irmã é chamada a desempenhar uma tarefa específica nesta Obra de Deus, sendo mensageira do Evangelho, pela palavra, acção e testemunho de vida.

“Jesus enviou-os aonde Ele devia ir” ( Lc. 10, 1)
“Eis que vim para fazer a tua Vontade“ (Heb. 10,9)
“Como o Pai me enviou, também Eu vos envio” (Jo.20,22)

Oração pessoal e comunitária, onde a celebração da Eucaristia, a oração da Igreja de Laudes e Vésperas e ainda os momentos fortes de contemplação, são a fonte do equilíbrio e dinamismo que o Espírito Santo realiza em nós.

 

Momentos de oração pessoal e comunitária

oração 1

oração 2


A oração faz-nos reconhecer o lugar de Deus na nossa vida e no nosso mundo. O Espírito do Senhor que reza em nós, vai-nos transformando interiormente, renovando em nós a Sua Aliança de fidelidade, para que permaneçamos sempre no Seu Amor e procuremos em tudo a realização da Sua Vontade.

 

Vida Comunitária

A comunidade vai-se construindo, dia a dia, com o contributo e empenhamento de cada Irmã. A presença comum, as partilhas fraternas, os momentos de oração, as refeições, convívios, reuniões, passeios, acções de formação e outras actividades vão progressivamente criando laços cada vez mais fortes entre as Irmãs, marcando assim as suas relações mútuas de confiança e estima.

vida comunitária 8

vida Comunitária 8

Vida Comunitária 9

As Irmãs fazem a experiência de se amarem pelo facto de serem chamadas a seguir Jesus na mesma Congregação, Comunidade e ainda de partilharem a mesma missão.

 

As tarefas específicas - Actividades Profissionais

Pelas tarefas que realizamos, quaisquer que sejam, fazemos obra de evangelização. Contudo, a nossa missão não se limita às actividades apostólicas e profissionais desempenhadas por cada Irmã. Ela realiza-se com toda a nossa vida.

vida comunitaria 2

vida comunitaria 1

De acordo com os dons, competências, necessidades e gostos, apetências, apelos e discernimentos, cada Irmã assume várias responsabilidades e tarefas na vida da comunidade e da missão que lhe é confiada.

vida comunitaria 6

vida comunitaria 3

vida comunitaria 4

vida comunitaria 5

Apenas como exemplo mencionam-se algumas actividades: Educação, Ensino, Saúde, Trabalho paroquial, Lares de Idosos, Apoio a famílias carenciadas, Pastoral Juvenil, Centros Infantis e Acção Social junto dos mais pobres.

vida comunitaria 7

“A Irmã de S. José de Cluny deve estar em toda a parte onde houver bem a fazer e sofrimento a aliviar” (Ana Maria Javouhey)